domingo, 23 de março de 2008

Feito para ser feio

Quando os profissionais do desenho industrial da indústria automobilística sentam em suas mesas de trabalho, não pensam em nada além de carros bonitos, elegantes, agradáveis, funcionais e modernos. Quando o carro sai do papel para ganhar as ruas, tem ainda de ser econômico, confortável, seguro, confiável.

Já falei aqui de um grande fracasso de Detroit, o Ford Pinto, que foi considerado em pesquisas um dos carros mais feios do mundo. Hoje vou falar de um carro que foi na contramão do que é normal: ele foi pensado para ser feio, pouco prático, indesejado.

Em 1983, a Warner Bros. lançou um grande hit dos filmes de comédia besteirol politicamente incorreto, e uma das melhores comédias até hoje: Férias Frustradas (National Lampoon's Vacation). O roteiro traz a difícil jornada de uma família tipicamente americana que quer cruzar o país para chegar ao parque de diversões Walley World (claramente inspirado na Disneylândia) a bordo de um carro.

A maior parte do filme se passa com a família no carro, que é um dos principais personagens do enredo. Logo no começo, Clark Griswold (interpretado por Chevy Chase), patriarca do clã, vai à loja de carros pegar sua nova perua encomendada. Mas levou gato por lebre: ludibriado pelo vendedor bom de papo, teve que se contentar com um modelo que estava encalhado por ali e foi empurrado pelo dono da loja. A dublagem chamou o possante de Caminhonete Familiar Rainha, mas, na verdade é a Wagon Queen Family Truckster.





Clark Griswold e seu filho Rusty são apresentados à caminhonete familiar Rainha.


E aqui chegamos ao assunto de hoje: aquele carro horroroso. O Wagon Queen Family Truckster foi concebido pelos produtores do filme para ser não somente o mais feio, mas também o pior carro do mundo. Como a família protagonista do filme só se mete em frias, com o carro não poderia ser diferente.

Assim, aproveitando a base de uma perua Ford LTD Country Squire 1980, trocaram a frente e a traseira por um conjunto de aberrações, como as oito lanternas dianteiras, formando duas linhas de faróis completamente desarranjadas, a entrada de ar pequena demais e a grade dianteira tenebrosa, e mais uma coroa elevada sobre o capô, como se fosse a estrela da Mercedes-Benz.


Espero que você não tenha pesadelos com esta grade dianteira.


Nas laterais do carro, uma aplicação de madeira, comum nas picapes e peruas americanas, mas aqui feita toscamente, os vidros do porta-malas que não acompanham a linha da cintura do veículo, não se harmonizam com absolutamente nada e dão aquele ar de rabecão de funerária... e ainda espaço para uma coroa dourada enorme que decora a coluna traseira e uma entrada de ar fajuta que piora ainda mais a aparência.

Aqui dá pra ver a coroa gigante na lateral do carro, ao lado desse vidro esquisito do porta-malas, que não tem nada a ver com nada. De onde tiraram essa idéia bizarra?

Não se pode esquecer do detalhe das calotas, "enfeitadas" com uma coroa gigantesca, símbolo da tal Wagon Queen. As calotas duram pouco no filme, pois são roubadas quando a família passa pela periferia de Saint Louis. Nesse lugar barra-pesada uns caras mal-encarados também escreveram com spray "Honky Lips" na lateral do carro.

Uma das melhores sacadas é a abertura do tanque de combustível. Clark pensa que fica atrás da placa traseira, e acaba arrancando a placa. O bocal fica dentro do motor, e para acessá-lo há uma portinha que fica... na tampa do motor, ou seja, no capô do carro! Aliás, o motor era bem fraquinho...


Ellen Griswold: Isso é lugar para um tanque de gasolina?


Por dentro, bancos inteiriços de uma cor marrom pálida parecem mais sofás velhos. Mas o carro contava com um air-bag feito, ao que parece, de saco de lixo, e que não funcionava muito bem.

O vendedor de carros que empurrou a belezinha para Clark Griswold o persuadiu de todas as maneiras a levar a perua. Disse que era a última palavra em transporte para a família. O senhor pode até odiá-lo agora, mas espere até dirigir. Essa frase tornou-se uma espécie de slogan da Family Truckster.

Como o filme é cultuado nos EUA como um dos grandes ícones dos anos 80, era natural que a station wagon mais feia do mundo também provocasse reações. Somente três veículos foram produzidos para o filme, e um repousa num museu cinematográfico, com direito a bagagem no teto e tudo, além da frente semidestruída, em razão do acrobático acidente no deserto do Arizona ("Pai, você deu um salto de 50 metros!"/ "Isso não é motivo para orgulho... 50 metros!").

Existem réplicas e uma delas está sendo construída, e os progressos podem ser acompanhados por um fórum de entusiastas de peruas: http://www.stationwagonforums.com/forums/showthread.php?p=886 . O proprietário da perua já providenciou a cor oficial, "metalic pea" ou, em bom português, "verde-ervilha metálico".

A réplica que está sendo feita por um americano. Só falta pintar de verde-ervilha metálico e colocar os apliques de madeira.


Feito para ser feio, não funcional e indesejado, o carro do filme Férias Frustradas tornou-se querido pelos fãs, e conseguiu assim um lugar entre os carros famosos do cinema!

Você gostaria de ter um carro desses? Pode odiá-lo agora, mas espere até dirigi-lo...

3 comentários:

  1. Bem que eu gostaria de ter um carro assim, só para ter o prazer de vendê-lo para o meu pior inimigo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostaria de ser seu pior inimigo para ter essa clássica station wagon!

      Excluir
  2. Eu gosto demais desse filme e seria o primeiro da lista a compra-lo.

    ResponderExcluir

Talvez você se interesse por:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...