segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Ibope dos Transcendentes - Balanço de 2008

Último post do ano. Vamos dar uma geral nos números de nossos visitantes, sempre apoiados nos nossos sistemas de monitoramento de visitas Google Analytics e HiStats.

Os números são desde o início do monitoramento (janeiro de 2008), até 28 de dezembro

BLOG TRANSCENDENTES
Visitas: 6.710
Número de páginas vistas: 9.651

3.406 pessoas (50,76%) chegaram ao blog a partir de sites de referência.
2.626 pessoas (39,14%) usaram sites de busca.
678 pessoas (10,10%) vieram diretamente digitando o endereço do blog.

Artigos mais lidos:
1. Adeus, Flecha: a morte do rei da estrada - 1.399 visitas
2. Desaparecido: Milkybar - 1.127 visitas
3. Nestlé confirma: Milkybar acabou - 654 visitas
4. Mais uma que vai: Scalla FM - 357 visitas
5. O que é ser brega - 208 visitas

Artigos mais comentados
1. Adeus, Flecha: a morte do rei da estrada - 17 comentários
2. Também vão pegar você - 7 comentários
3. Sementes de cultura I - As Sete Maravilhas do Mundo - 5 comentários
4. A civilidade e o futebol - 4 comentários
5. Desaparecido: Milkybar - 4 comentários

Palavras-Chave mais curiosas que utilizaram em sites de busca para chegar ao blog:
1. jao klebe testi de felisidade (teste de quê? quem?)
2. causas do ricinoleato de glicerina (causas, motivos, razões ou circunstâncias)
3. replica de carro feito de papelão (se dirigir, não molhe)
4. o que se pode ser feito pelo humanidade (tanta coisa...)
5. mortes horríveis (eu juro que não escrevi nada sobre isso!)
6. frases para se disser a um amigo por causa da morte (depende, a morte foi horrível ou não?)
7. baseado em que religião foi criado o programa de tv (no televisionismo ortodoxo)
8. chingamentos para times de futebol (perna de pau! maricas!)
9. quais as epidemias atuais que ta preocupando a humanidade (tem uma epidemia séria, o googlismo, doença grave que faz pensar que o google consegue dar resposta para qualquer pergunta)
10. como ser elegante sendo feio (se é feio, pra que ser elegante?)

Quem visitou o Transcendentes?
1. Brasil: 6.374
2. EUA: 83
3. Portugal: 73
4. Japão: 38
5. Argentina: 21

Que cidades mais acessaram?
1. São Paulo: 2.177
2. Rio de Janeiro: 508
3. Belo Horizonte: 391
4. Curitiba: 141
5. Campinas: 136

BLOG LETRAS DO TREM
Visitas: 8.674
Número de páginas vistas: 20.282

3.108 pessoas (35,83%) chegaram ao blog a partir de sites de referência.
5.215 pessoas (60,12%) usaram sites de busca.
345 pessoas (3,98%) vieram diretamente digitando o endereço do blog.

Artigos mais lidos:
1. 1986 - Trem da Alegria - 916 visitas
2. 1985 - Trem da Alegria - 842 visitas
3. Uni Duni Tê - 757 visitas
4. 1984 - Clube da Criança - 734 visitas
5. É de Chocolate - 618 visitas

Artigos mais comentados
1. 1986 - Trem da Alegria - 5 comentários
2. 1987 - Trem da Alegria - 5 comentários
3. 1983 - Festival Internacional da Criança - 3 comentários
4. Zeppelin - 3 comentários
5. Tic Tac do Amor - 3 comentários

Palavras-Chave mais curiosas que utilizaram em sites de busca para chegar ao blog:
1. qual é o nome da mulher do papagaio (resposta: Ana Maria Braga)
2. jeronimo jardim (compositor e escritor gaúcho, ele não tem nada a ver com o assunto hehe...)
3. alegria muito felicidade iluminado iluminado (quanta emoção, hein?)
4. algeu cairolli (nome do fotógrafo que tirou fotos para o encarte do LP de 1985 do grupo)
5. estoria infantil se escreve com e ou h (a doutrina diverge. Eu voto pelo "H")
6. musicas infantis xixi no poste (essa eu não conheço, deve ser engraçada!)
7. trem da alegria e cascatinha (mais uma daquelas pessoas que confundem o Trem da Alegria com o Balão Mágico... isso cansa... por acaso, você confunde Beatles com Rolling Stones? Nem eu. Então, vamos parar com isso, minha gente, e se informar melhor!)

Quem visitou o Letras do Trem?
1. Brasil: 8.325
2. Portugal: 99
3. EUA: 70
4. Japão: 43
5. Argentina: 18

Que cidades mais acessaram?
1. São Paulo: 1.950
2. Rio de Janeiro: 732
3. Belo Horizonte: 543
4. Brasília: 356
5. Fortaleza: 287

BLOG O BAÚ DO SILVIO
Visitas: 17.705
Número de páginas vistas: 37.145

6.037 pessoas (34,10%) chegaram ao blog a partir de sites de referência.
9.653 pessoas (54,52%) usaram sites de busca.
2.015 pessoas (11,38%) vieram diretamente digitando o endereço do blog.

Artigos mais lidos:
1. Trilhas sonoras de programas do SBT - 2.599 visitas
2. O microfone do Silvio Santos parte 1 - 1.434 visitas
3. As vinhetas do SBT - 913 visitas
4. Maestro, Qual é a Música? - 757 visitas
5. O microfone do Silvio Santos parte 2 - 756 visitas

Artigos mais comentados
1. Trilhas sonoras de programas do SBT - 17 comentários
2. O microfone do Silvio Santos parte 2 - 6 comentários
3. Pedro de Lara, lá... - 5 comentários
4. Maestro, Qual é a Música? - 4 comentários
5. Parabéns e obrigado - 4 comentários

Palavras-Chave mais curiosas que utilizaram em sites de busca para chegar ao blog:
1. como fazer as tortas do passa ou repassa (ouvi falar que as tortas eram feitas numa padaria vizinha ao SBT, na Vila Guilherme...)
2. vinheta um abraço por trás em você (o SBT nunca teve vinheta assim, quem sabe naqueles canais adultos à cabo...)
3. lá, lá, lá, lá... lá, lá, lá (hey!)
4. silvo santos no progama ano 1554 (em 1554 foi fundada a cidade de São Paulo, e não a televisão em São Paulo!)
5. o filho do moacyr franco é a mamma bruschetta? (essa foi uma das mais engraçadas que já vi! O filho do Moacyr é diretor da Turma do Didi... a Mamma Bruschetta é interpretada pelo ator Luís Henrique)
6. dingle do sbt (o que seria um dingle? não é jingle?)
7. vovó mafalda na escolinha do golias yutub (a Vovó nunca participou desse programa. Destaque para o modo como escreveram YouTube...)
8. gostaria de saber o que foi feito do pedro de lara (foi feito dele um cadáver. Afinal, do pó viemos e do pó voltaremos. Que a terra lhe seja leve.)
9. novela que tinha creuza (ainda bem que não perguntou que novela tinha Helena...)

Quem visitou o Baú do Silvio?
1. Brasil: 16.994
2. Portugal: 205
3. EUA: 149
4. Japão: 116
5. Reino Unido: 34

Que cidades mais acessaram?
1. São Paulo: 2.921
2. Rio de Janeiro: 1567
3. Belo Horizonte: 898
4. Porto Alegre: 533
5. Curitiba: 406

E assim o Transcendentes encerra suas atividades blogueiras em 2008.

Retornaremos em 2009, com nossos pitacos e nossas opiniões.

Obrigado pela audiência, seja lá como você tenha vindo parar aqui... se nos acompanha com freqüência, se caiu aqui de pára-quedas, por engano, ou então por indicação de alguém. Valeu! Esperamos que no próximo ano possamos contar com a visitação de vocês.

Um feliz ano novo. Sucesso pra todo mundo, para o nosso País e para todas as coisas boas.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

YouTube tira MofoTV do ar!

Parem as rotativas! Bomba!

Quem não disse que no Natal não acontece notícia? E aconteceu uma trágica. O primeiro a constatar foi o internauta Lucas Lopes, às 17 horas e 30 minutos desta véspera de Natal.

Seguinte: a conta do MofoTV, "o canal retrô que homenageia artistas e resgata a memória pop da tv brasileira", o mais famoso acervo digital de televisão e cultura pop brasileira, verdadeiro museu internético dos anos 70 a 90, foi suspensa pelo YouTube! Isso mesmo, está fora do ar!

Para quem não entende como isso pode acontecer, tenho quase certeza absoluta que o problema tem nome: direitos autorais. Afinal, reunir vídeos com apresentações musicais de artistas e programas de televisão, sem recolher ao ECAD (Escritório Central de Arrecadação) o valor a título de direitos de autor, e o fazer sem ser titular dos direitos e sem autorização de quem o é gera esse risco.

Muitas gravadoras, produtoras e distribuidoras ficam à caça de vídeos no YouTube e MP3 nos servidores do mundão afora. Outras (poucas) se renderam às novas tecnologias e criaram suas próprias contas nesses serviços para divulgar seus produtos. A Rede Globo, por exemplo, tem seu canal oficial no YouTube para postagem de capítulos de Malhação; e o grupo de humor inglês Monty Python criou sua conta para postar seus programas, ao verem a repercussão dos vídeos de suas esquetes, postados até então por fãs.

É bom que se diga que não estamos criticando YouTube ou o Google pelo acontecido. Tampouco pode-se dizer que agem errado os detentores dos direitos autorais, afinal estão agindo conforme a lei e em defesa dos seus direitos. A reflexão que se deve fazer é sobre a necessidade urgente de mudança no sistema de direito autoral no mundo, adaptando-o à realidade da internet. Aqueles que "se juntaram ao inimigo", criando contas e postando vídeos no YouTube mostram uma nova tendência, que admite essas novas mídias para divulgação de seus trabalhos, ao invés de denunciar e pedir para retirar da rede os "piratas". É um tema espinhoso, muito difícil, e sobre o qual não ousaremos nos manifestar.

Para que uma conta seja suspensa é necessário que o usuário do YouTube seja reincidente... quer dizer, na primeira vez que ele posta um vídeo ilegal, o YouTube apenas retira do ar. Na segunda vez, bau-bau tudo.

Nosso amigo cartunista, editor de vídeo e criador do site Tinha que ser o Chaves e da emissora de tv fictícia Salt Cover Igor Carastan de Barros foi vítima de um mal-entendido (digo, injustiça) e teve um vídeo retirado do ar unicamente por nele aparecer escrito "I'll Be Back", frase que se tornou célebre no filme O Exterminador do Futuro. O YouTube entendeu se tratar de violação de direito autoral, pertencente, no caso, à 20th Century Fox. Nada a ver, mas que deixou o nosso amigo bastante triste e revoltado.

Agora, é a vez do ex-dentista José Marques Neto, uma pessoa notável e admirável por seus esforços em defender e valorizar o passado esquecido e rico da TV e da cultura pop brasileira, amigo e colaborador do nosso outro blog, o Baú do Silvio.



Quem vê seu esforço de mais de 1000 vídeos postados correr o risco de sumir da internet. Ele, que já se tornou uma personalidade da internet. Ele e seu acervo de mais de trocentas fitas VHS, de onde saíram pérolas incríveis, que já apareceram em páginas de revistas e jornais do país e mesmo em imagens porcamente aproveitadas em programas de televisão.

Esperamos, do fundo do coração, que não.

E que o Neto, assim como o Igor, continue combatendo o seu bom combate.

Feliz Natal, mesmo assim, pra todos nós.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Um ano

Amanhã este blog estará completando um ano de existência.

Foram 57 postagens e uns 120 comentários. Não é grande coisa, mas é nosso! Cinqüenta e sete postagens nas quais escrevemos, desabafamos e expusemos opiniões, com um detalhe importante: nunca, jamais, fazer cópia de textos de outros lugares e autores, e sim fazer referências e ligações para acalorar discussões.

A idéia de criar esse blog foi do meu amigo Daniel, eu entrei na onda, convencido por ele e gostei, tanto é que criei mais dois blogs depois. A experiência até agora foi muito bacana e o mais legal foi poder conhecer diversas pessoas, virtual ou pessoalmente, e mesmo vir a saber que muitas pessoas com as quais convivemos e conversamos no dia-a-dia também têm seus próprios blogs e visitam freqüentemente este nosso espaço.

Nosso próprio modo de viver muda: a todo momento surgem situações a nossa volta com as quais nos deparamos e pensamos "dá pra escrever um post sobre isso". Às vezes, antes de escrever, um debate, uma discussão prévia. Mas o resultado está aqui.

Vamos continuar.

A longa jornada dos seguidores do homem vestido de galinha continua!

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Transcendentes repercute

Ontem tivemos um dia de muitas visitas neste blog, porque usuários do Twitter encontraram nosso artigo sobre o fim do chocolate fofinho da Nestlé, o Milkybar, furo de blogagem (já que reportagem é coisa de jornalista...) de nossa parte. Inclusive um endereço abreviado para acessar o artigo foi colocado no Tiny URL: http://tinyurl.com/5nffps

Essa história do Milkybar realmente deu frutos. O primeiro a nos mencionar foi o Site Comidinhas, depois o Cobaia em Ação, o iBuh, no Fórum Darkside.

Mas sem dúvida nosso artigo que mais rendeu foi o sobre o fim do Flecha Azul, tradicional ônibus da Viação Cometa. História que divulgamos assim que confirmada pelo Moderador da Comunidade Oficial da empresa no Orkut. Daí nosso texto foi recomendado por nada menos que o jornalista Flávio Gomes em seu blog, provocando um turbilhão de visitas nunca visto e que um dia gostaríamos de repetir. Comentários de todo lado, até de sites não-relacionados ao tema rodoviário, como o blog Minhas Camisas, especializado em camisas de futebol. Foi também recomendado e elogiado nosso texto pelo Blog do Portanova.

Muito atenciosos, os publishers do portal de carros antigos Maxicar repetiram nosso texto, na seção Repórter Maxicar.

Em comum entre o Milkybar e o "Dino" da Cometa, como era carinhosamente chamado, não apenas a nostalgia e a saudade despropositada. Pode-se notar, em todos que repercutiram esses dois assuntos, uma emotividade especial, lembranças de uma boa época, do passado, da infância, de pessoas queridas que se foram e nos trazem essas sensações... de tesouros aos quais só damos valor, infelizmente, quando se esvaem de nossas mãos.

É possível, sim, ter sentimentos em relação a produtos de consumo a nós impostos pela economia de mercado capitalista. Porque somos todos humanos, e sabemos cativar sentimentos em relação àquilo que gira em torno de nossas vidas. Não são simples produtos, são também partes de nós.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Cooperativa de Pinheirinhos


Sempre quis saber por que todo logotipo de cooperativa tem um círculo com dois pinheiros dentro... ou seriam duas flechas para cima?

O Google sabia a resposta. Devia ter perguntado antes. E descobri uma porção de coisas.

Primeiro, uma explicação didática do que seja uma cooperativa, segundo o site da Coopera, uma cooperativa voltada à energia elétrica:

Cooperativa é uma associação autônoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer aspirações e necessidades econômicas, sociais e culturais comuns, por meio de uma empresa de propriedade coletiva e democraticamente gerida.


O site dessa cooperativa e também outras fontes na internet me fizeram descobrir que o círculo em volta dos pinheirinhos representa a eternidade, pois é uma figura que não tem começo nem fim. E as duas árvorezinhas, como flechas para o alto, são símbolo universal do cooperativismo, pois sobrevivem em terras pouco férteis, unidos para demonstrar sua facilidade em se multiplicar.

As cores verde e amarela são coincidentemente as mesmas do nosso País. Não é por causa do Brasil que são essas cores, não. Aliás, se fosse pra ser algo nacionalista, pela descrição do que representam os pinheiros, melhor que no lugar deles fossem dois cactos sertanejos, não? A relação lógica é a seguinte: verde é árvore, árvore é natureza, natureza é vida, equilíbrio e futuro. Amarelo é o sol, sol é vida, é calor, é energia. Pronto.

Junta tudo e beleza.

A bandeira universal do cooperativismo, no entanto, não tem nada a ver com os pinheiros, mas tem cores. É um arco-íris, igual à bandeira dos movimentos gays. Vai ver, é por isso que preferiram usar os pinheiros, para evitar confusões.

Interessante, pois!

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Ibope dos Transcendentes III

Levantamento de dados entre o início do blog até 10 de novembro de 2008, pelo Google Analytics:

BLOG TRANSCENDENTES
5.782 visitas, 8.383 page views

Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1. Adeus, Flecha: a morte do rei da estrada 1.316
2. Desaparecido: Milkybar 1.080
3. Nestlé confirma: Milkybar acabou! 499
4. Mais uma que vai: Scalla FM 278
5. Celebridades instantâneas 168

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1. Blog do Flávio Gomes 838
2. Ueba 572
3. Orkut 518
4. Blog O Baú do Silvio 116
5. Músicas Infantis anos 80 105

Os 5 países que mais visitaram o Transcendentes:
1. Brasil 5.500
2. EUA 66
3. Portugal 57
4. Japão 36
5. Argentina 20

As 5 Cidades que mais visitaram o Transcendentes:
1. São Paulo 1.907
2. Rio de Janeiro 429
3. Belo Horizonte 322
4. Curitiba 114
5. Campinas 109

As 10 Palavras-Chave mais bizarras utilizadas em mecanismos de busca:
Esta é uma categoria nova, inspirada em pesquisa do Blog do Capelli. "Palavras-chave bizarras" substitui a categoria de "Palavras-chave" porque é muito mais divertido!
1. "gostaria de saber se a viação itapemirim é melhor que a cometa?" - resposta: nunca será!!
2. "os nomes dos transcendentes" - Resposta: Daniel e Hamilton, ok?
3. "paguei r$ na estatua viva" - a estátua estava fantasiada de galinha, pelo menos?
4. "aula magna bennett" - não, o Tony Bennett não esteve na aula magna da faculdade
5. "my way autor, em que contexto foi criada quais seus significados?" - amigo, não é assim que se faz trabalho de escola, não...
6. "airbag feito em escola" - airbag artesanal?? Ô loco, meu!
7. "bolacha passatempo quantas unidades vem no pacote?" - compra um pacote, come e conta
8. "como foi utilizado o rio eufrates" - garoto, sai da internet e vai estudar!
9. "como tirar as tampas do ioio saga?" - hein?
10. "redação pronta utilizando o discurso direto e dialogo " - Redação pronta?? Acha que engana sua professora de português, é?
Eu acho interessante o jeito que as pessoas fazem as pesquisas. Tratam o Google muito mal, usam imperativos: cadê, eu quero, etc. Que oráculo que nada, o Google é um serviçal das pessoas, isso sim...

BLOG BAÚ DO SILVIO
14.644 visitas, 30.317 page views


Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1. Trilhas sonoras de programas do SBT 2.067
2. Da TV para sua casa 1.475
3. O Microfone do Silvio Santos - parte 1 1.177
4. As Vinhetas do SBT 772
5. O Microfone do Silvio Santos - parte 2 625

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1. Ueba 1.325
2. Orkut 714
3. Google Imagens 492
4. Blog MofoTV 399
5. Músicas Infantis anos 80 364

Os 5 países que mais visitaram o Baú do Silvio:
1. Brasil 14.023
2. Portugal 168
3. EUA 125
4. Japão 108
5. Reino Unido 30

As 5 Cidades que mais visitaram o Baú do Silvio:
1. São Paulo 3.433
2. Rio de Janeiro 1.304
3. Belo Horizonte 726
4. Porto Alegre 387
5. Salvador 326

As 10 Palavras-Chave mais bizarras utilizadas em mecanismos de busca:
1. "letra de musica que contenha a palavra medo" - Maestro, qual é a musica?
2. "artigo quem inventou as cantigas de roda" - foram os homens das cavernas. Eles inventaram a roda e, depois, as cantigas
3. "como é fabricada a tele sena" - numa gráfica, com papel e tinta
4. "foto do filho do locutor lombardi" - já é difícil ver foto do Lombardi, e o cara quer ver a foto do filho dele?!
5. "fotos de oratorio;suporte para santos" - hein?
6. "lista de clientes do bau da felicidade" - Mas são milhões de pessoas!
7. "minha garrafa termica quebrou onde eu encontro o vidro da invicta" - aqui certamente não é
8. "musica ilarie da xuxa o título, autoria e o ano" - o título é Ilariê, a autoria é de Cid Guerreiro, e o ano é 1988
9. "o que eu preciso fazer para marca e ganhar o sorteio da tele sena" - tem que ter sorte, né
10. "pacto com lucifer" - que é isso, minha gente?!

BLOG LETRAS DO TREM
6.552 visitas, 15.195 page views


Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1. 1986 - Trem da Alegria 711
2. 1985 - Trem da Alegria 675
3. 1984 - Patrícia & Luciano - Clube da Criança 599
3. UNI DUNI TÊ 599
5. É DE CHOCOLATE 455

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1. Orkut 1.025
2. Músicas Infantis anos 80 362
3. Blog Baú do Silvio 210
4. Google Imagens 186
5. Blog Transcendentes 128
8. Blogger Xuper 124

Os 5 países que mais visitaram Letras do Trem:

1. Brasil 6.295
2. Portugal 72
3. EUA 49
4. Japão 35
5. Argentina 16

As 5 cidades que mais visitaram Letras do Trem:
1. Sao Paulo 1.509
2. Rio de Janeiro 528
3. Belo Horizonte 366
4. Brasília 265
5. Fortaleza 230

As 5 Palavras-Chave mais bizarras utilizadas em mecanismos de busca:
1. "brincadeiras com bichos da pré historia" - o duro vai achar algum vivo e disposto a participar
2. "eu usava roupa da xuxa com suspensório" - hein?
3. "getúlio vargas estatizou a rádio nacional" - isso eu não sabia
4. "no mundo de ética bem distante daqui um guardião vai surgir" - o He-Man vivia no Mundo de Etérnia, não no Mundo da Ética!!
5. "qual o nome do site, pra postar fotos, que tem uma perereca como simbolo?" - resposta: Imageshack.us

Estamos crescendo! A quantidade de visitas aumentou bastante desde o úlimo levantamento. Obrigado a todos que, pelo menos uma vez, confiaram na seriedade do nosso trabalho e clicaram na gente! Tá bom, tô exagerando...

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

O surto de João Kléber

Encontro na comunidade Anti Video Show do Orkut (que reune momentos da televisão brasileira que, por várias razões, nunca serão reprisados) um momento do Eu Vi Na TV, da RedeTV!, em que o apresentador João Kléber, inconformado com a baixaria do quadro Teste de Fidelidade, solta os cachorros, gritando palavrões e passando um pito em todo mundo, atores, participantes e o auditório. Veja a cena aqui:



Estaria realmente o humorista e apresentador indignado com o baixo nível do programa? Seria uma jogada de marketing, algo armado? Será que João Kléber levava mesmo a sério o quadro que testa a fidelidade de casais de namorados e maridos, o qual, era já sabido, era combinado entre os participantes e do qual alguns de seus "atores" e "atrizes" saíram para trilhar carreira no cinema pornográfico?

Não foi a primeira vez que João surtou no ar, ao vivo. Várias vezes ele desabafou e até chorou nos seus programas vespertinos, em que explorava o mundo-cão e as agruras no estilo do O Povo na TV, principal modelo desse tipo de programa. Dizia que se deprimia, deitava no chão, lágrimas rolavam. "Eu não agüento esse tipo de programa. É ou não é verdade?", perguntava à sua esposa, que costumava ficar na platéia.

E por que falar de João Kléber? Para refletir sobre sua trajetória. Bom imitador, foi do rádio para a televisão. Trabalhou por uns dezoito anos na Globo, como redator e também humorista. Fez stand-up no Fantástico e dividia o palco com Chacrinha na fase final da carreira e da vida do Velho Guerreiro, no Cassino do Chacrinha, em 1988. Ganhou um especial de fim-de-ano em 1991, o Ri-Retrospectiva, no qual fez uma brincadeira com o presidente Fernando Collor. Mas foi a amizade com o presidente Collor fez sua carreira desmoronar. Freqüentava a Casa da Dinda e, segundo a Revista Veja (19/12/2001, reportagem de Ricardo Valladares), era o "bobo da corte" do presidente alagoano. A revista diz ainda que João Kléber "perdeu o emprego que tinha na Rede Globo e, de vinte shows por mês, sua agenda passou a não registrar mais do que um ou dois. 'Um monte de gente me virou a cara', choraminga ele."

Ficou anos sem aparecer, e reapareceu fazendo umas pontas em A Praça é Nossa. Lá, interpretava a si próprio, conversando com Carlos Alberto de Nóbrega, até que "baixava um santo" de alguma celebridade nele, e ele começava uma série de imitações. Quando surgiu a RedeTV! no lugar da Manchete, em 1999, foi contratado. E "foi mandado embora da emissora Rede TV a chutes e pontapés depois de quase levá-la ao fracasso", segundo o Canal da Imprensa.

Na verdade, até que começou bem na nova emissora, após tantos anos fora da mídia. Exibia pegadinhas, fazia personagens, dava risadas... sua equipe passou a produzir pegadinhas próprias (tudo combinado, é verdade...) gravadas em Osasco e outras cidades próximas da sede da emissora, que foram até vendidas em DVD pela RedeTVShop e são campeãs de audiência no YouTube. Numa "fase séria", como diz o amigo Igor C. Barros, fazia assistencialismo e sensacionalismo com casos bizarros e brigas de família.

A crise começou a degringolar em 2002, quando Claudete Troiano, à frente do Note & Anote da Record passou a acusá-lo de exibir histórias falsas e enganar o público. As duas emissoras, ao vivo, exibiram em 22 de maio daquele ano uma cena histórica e lamentável: ambos os apresentadores trocando acusações um contra o outro, cada um em seu canal! E Kléber saiu xingando e ironizando a religiosidade dos bispos evangélicos controladores da Rede Record.

Depois, veio o Ministério da Justiça. Ele puniu a RedeTV!, obrigando-a a exibir programetes educativos no lugar de João Kléber, proibindo as pegadinhas, acusadas de ofender minorias como as mulheres, os homossexuais e os deficientes físicos. A emissora chegou a ficar 24 horas fora do ar. Ao mesmo tempo, muitas críticas começaram a aparecer sobre o modus operandi de João no comando de seus programas: o "embromation" para segurar a audiência, interrompendo a todo momento o andamento dos quadros, criando suspense por nada. E a gota d'água: a esposa de Kléber o trai com um ator do teste de fidelidade, pondo fim ao casamento.



A carreira de João Kléber no Brasil acabou (ou "deu um tempo"), e ele foi parar em Portugal, onde faz relativo sucesso com o mesmo estilo de programa. Deixou de ser humorista, definitivamente, para comandar seu "circo".

Diante de tudo isso, se é que você teve a paciência de ler tudo, volta a pergunta. Assista novamente o vídeo de João Kléber surtando ao vivo e responda. O que é que se passava na cabeça dele para dizer tudo aquilo?

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Quem manda no Reino dos Baixinhos?

Maria da Graça Xuxa Meneghel foi coroada Rainha dos Baixinhos em fins dos anos 80, aclamada e idolatrada pelas crianças do Brasil. Apesar das críticas reticentes de parte dos adultos em relação a suas roupas curtas, era praticamente uma unanimidade entre eles e também entre a criançada. Seu programa diário Xou da Xuxa era líder de audiência nas manhãs da Rede Globo, apresentando os desenhos animados mais comentados da época e atrações musicais de peso, como Trem da Alegria, Patrícia e Atchim & Espirro que faziam também a cabeça da molecada e seguiam a trilha de sucesso da jovem e animada loirinha de chuquinhas no cabelo.



O programa estreou em 1986, após pouco mais de dois anos de sucesso da Xuxa na TV Manchete, na qual debutou como inexperiente modelo, namorada de Pelé. E acabou em 1992, quando Xuxa passou a tocar outros projetos, nem sempre de sucesso, como sua carreira internacional nos EUA e na América Latina. Passou a comandar programas semanais, e nem sempre voltados ao público exclusivamente infantil.

Atualmente, a programação infantil de maior sucesso na TV é a do SBT, com o Bom Dia & Cia., com Cássio Yudi Tanashiro e a estrelinha gospel Priscilla Alcântara. E, aos sábados e domingos, quem comanda o show é Maísa Silva, um fenômeno de mídia e popularidade, com apenas 6 anos de idade. Maísa vence com freqüência em audiência o TV Xuxa, atual programa da Rainha, exibido aos sábados pela manhã, em geral espremido entre jogos de vôlei, corridas de Stock Car e treinos de Fórmula 1, e retalhado com vários cortes. Há várias críticas bem feitas a esse programa nesse blog, que é especializado na obra da mãe da Sasha.

Há algo de podre no reino dos baixinhos. Xuxa já não é mais aquela e seus programas não atraem mais público como antes. Será mesmo? Existe um descompasso entre o programa que ela apresenta e seus trabalhos paralelos, como a série de DVDs Xuxa Só Para Baixinhos. Na televisão, parece não se saber qual é o público do programa, não é, certamente infantil, mas tampouco agrada os fãs que cresceram prestigiando desde a infância os programas dela. Ela fica, diríamos, sem personalidade, como Geraldo Alckmin na fracassada campanha para prefeito de São Paulo, que acabou domingo. Por outro lado, os DVDs vendem bastante e já estão na oitava edição.



A programação infantil do SBT (aliás, da TV brasileira em geral) já teve dias muito melhores. Os programas líderes do horário são meras sessões de desenhos entremeados por "cabeças" em estúdio, na qual os apresentadores-mirins estimulam a criançada a telefonar e participar de brincadeiras valendo prêmios. Todo mundo quer o Playstation, mas acaba mesmo é ganhando Jogo da Vida ou Max Steel. E na brincadeira em que o coelho tem que ir para a casinha vermelha ou amarela, geralmente o bichinho fica parado no centro da roda... algumas das brincadeiras são herdadas do Bozo, do Fantasia e de outros programas antigos da casa.

Estaria mesmo a Rainha dos Baixinhos perdendo seu reinado para a espontaneidade de Maísa Silva? Ou, na verdade, é Xuxa quem não conseguiu encontrar público e horário adequados na TV para seu programa?

A propósito, há alguns dias dei uma volta numa das Lojas Americanas. Estavam tocando músicas da Xuxa, por ocasião da proximidade do Dia das Crianças. Foi interessante perceber que as músicas eram cantaroladas, cantadas ou batucadas por quase todos ali presentes, na faixa etária entre 20 e 35 anos, mais ou menos. Pais e mães que traziam seus filhos para escolher brinquedos conheciam na ponta da língua as velhas canções, grande parte delas de Sullivan e Massadas, que venderam mais de 10 milhões de discos. Mas as crianças, que interessante, não sabiam e não cantavam.

Então?...

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Pescaria

O amigo Thiago Leal publicou interessante texto em seu blog Altívago Nefelibata: um diálogo imaginário entre um pescador e um homem de negócios. Apesar de não ser uma idéia muito nova, por se tratar de uma comparação bastante conhecida entre a vida pacata e humilde de um e a vida tensa, agitada e cheia de especulações do outro, o texto é bem interessante.

Me faz lembrar aquelas famosas parábolas e pequenas histórias que trazem lições de produtividade e trabalho para empresas, liderança de grupos etc., como as que Alexandre Rangel contava na Rádio Bandeirantes e deram origem a livros do gênero.

Esse embate de valores e filosofias de vida foi resumido de forma perfeita pelo humorista Leon Eliachar, no livro O Homem ao Quadrado (– 1ª edição pela Editora Paulo de Azevedo, 1960. Licença editorial para o Círculo do Livro. – 4ª ed em 1976). A frase é repetida reiteradamente na internet, sem dar o devido crédito ao genial autor da pérola. Lá vai:

Um sujeito pobre é o que mora numa cabana, na beira do rio, e passa o dia pescando para viver. Um sujeito rico é o que vive o ano inteiro dentro de um escritório, para poder passar o final de semana numa cabana, na beira do rio, para pescar.
(Leon Eliachar)

Aí está, Thiago. Resumi o seu texto...

sábado, 20 de setembro de 2008

É reportagem ou é postagem?

Não sou jornalista, não devia me meter a querer discutir isso. Mas acabo de ler a edição de hoje do Estadão e fiquei incomodado com a reportagem Como é mesmo o nome dessa rua?, do caderno Metrópole. A reportagem está disponível para leitura no site estadao.com.br, na seção Estadão de Hoje, mas também coloco à disposição para vocês neste link.

A reportagem é de Edison Veiga, e o que me chamou a atenção foram alguns recursos de linguagem empregados por ele no texto. Começa assim:

Rua Pirajuçara ou Pirajussara? Loefgreen ou Loefgren? Édison ou Edson? Atire o primeiro dicionário quem nunca titubeou ao ver tais nomes de ruas paulistanas.


A opção foi pelo recurso retórico, ao invés de um discurso direto. Discutível, até um pouco batido, mas tudo bem. Depois, vem esta passagem:

Dissemos duas grafias diferentes? Perdão, caro leitor. Há casos em que uma terceira forma aparece (...)


Meu estranhamento aumentou... por que escrever uma matéria jornalística desse jeito intimista? E usando o chavão "caro leitor" para buscar uma aproximação, segurar o interesse de quem lê a reportagem? É como aquela expressão batidíssima, "deste que vos escreve", que costuma se seguir à opinião lançada pelo autor. Desnecessário, além de ser um clichê.

O texto prossegue, e, mais à frente vem a parte mais, digamos, curiosa:

Nos anos 1940, por exemplo, uma norma determinou que fossem aportuguesados os nomes que utilizassem K, Y ou W. "Uma medida nacionalista", acredita o historiador. Por esse motivo, a Rua Wanderlei, que cruza com a Avenida Sumaré, virou Vanderlei. Mesmo assim, a placa da CET fixada no citado cruzamento ainda traz a grafia antiga (mesmo a CET não sendo daqueeeele tempo!).


Por que escrever "daqueeeele" e não simplesmente "daquele", ou então introduzir um outro adjetivo mais incisivo para destacar a antigüidade? "Vetusto", por exemplo, ficaria bom: "mesmo a CET não sendo daquele vetusto tempo!". Ou então: "mesmo a CET não sendo de tão priscas eras!".

Lembrei que o Estadão possui um excelente manual de redação. E que sempre passou a imagem de um jornal sisudo, sério e muito bem escrito, cujos gracejos em geral aparecem mais no caderno de Esportes. Achei totalmente desnecessários os incrementos feitos pelo repórter, que até me motivaram a escrever logo no início da manhã por aqui.

Fiquei com a nítida impressão de que estava lendo um blog nas páginas do jornal. Gracinhas como essa tiram a real importância do assunto tratado, como se fosse algo de menor valor. Se fosse, não ocuparia tanto espaço: meia página do caderno Metrópole. Talvez o mesmo texto ficasse ótimo para uma reportagem na televisão ou no rádio, meios nos quais a retórica e a forma de apresentação das informações valem muito em conta. No papel, não achei que tenha ficado bom. Na televisão, teria espaço dizer um "daqueeeele", bem comprido!

Não sei se, tendo a necessidade de preencher as colunas do jornal, com o número de toques exigidos para o fechamento da edição, foi necessário utilizar esses "recheios". Ou se, cada vez mais, os efeitos da internet no discurso afetam nos outros meios de comunicação. Enquanto não escreverem nada no jornal em internetês, está bom.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

A galinha marqueteira

Não sei se é bom negócio falar de eleições, afinal podem achar que estou defendendo um ou outro candidato, sei lá. Enfim...

Uma coisa que sempre gostei de acompanhar é a propaganda eleitoral. Desde pequeno, coleciono os panfletos, os brindes, chaveirinhos, adesivos... e aprendo a cantar de cor o jingle de todos os concorrentes. E assim a gente passa a entender e dar importância ao trabalho de marketing e de imagem dos candidatos. Os partidos buscam dar uma cara a seus políticos, e também buscam sua própria cara, para se diferenciar dos demais.

O PSDB, por exemplo, sempre adotou as cores amarela e azul em contraste ao vermelho e branco do PT. O antigo PL e o PP(B), vermelho e azul. PDT e PTB são vermelho, branco e preto. O velho e finado PFL usava as mesmas cores do PSDB, mas onde era azul punha amarelo, e onde era amarelo, punha azul... mas o PFL mudou e virou o Democratas, chamado de DEM por uns e de Demos por outros. E a cara do DEM, qual que é?

Na atual campanha para prefeito de São Paulo, a aliança de longa data entre PSDB e PFL/Democratas rachou, porque Geraldo Alckmin bateu o pé e acabou candidato, seguido pelos seus correligionários que achavam que o PSDB devia lançar sua própria chapa ao invés de apoiar os parceiros do DEM. E ficou tucano pra todo lado.

E uma perda o PSDB com certeza sentiu. A GW, empresa que sempre produziu as campanhas tucanas, foi para o lado do Gilberto Kassab, atual prefeito, que era vice do José Serra e é Democrata. Com isso, o PSDB perdeu a sua linguagem, seu jeito, seu estilo. Foi tudo parar no DEM.

Lembra aquelas campanhas do Serra, do Alckmin, do Fernando Henrique? Eles sempre de camisa azul, gravata vermelha, mangas arregaçadas, num cenário imitando um escritório bem iluminado, fingindo estar trabalhando com pastas, telefones, computadores, secretários... a câmera circulando a sala, o narrador dando a exata emoção para a cena, a trilha sonora edificante... a assinatura do partido na tela... enfim... é Kassab que está fazendo este tipo, e não Alckmin.

O que restou para Geraldo? Se viu obrigado a mudar o estilo, para não confundir a cabeça do eleitor. Aparece de paletó, mas sem gravata. Um ambiente escuro, frio, sombrio. Não ficou nada bom.

A campanha de Kassab aproveita inclusive elementos de campanhas anteriores, que lhe caíram muito bem. O balãozinho de história em quadrinhos já tinha sido usado na campanha do próprio Alckmin à prefeitura em 2000, e também, na mesma cor verde, pelo pessoal do "Sim" no referendo sobre o desarmamento, em 2005. A tipografia é a velha conhecida Futura itálica, mas em vez de azul e amarelo, as novas cores do DEM, verde, azul e branco. E um brilho com reflexos estilo web 2.0.

Já na campanha de Alckmin preferiu-se não usar a mesma tipografia tradicional do PSDB, optando pela fonte Myriad. O resultado, segundo vários comentaristas já disseram, é que ficou parecendo uma campanha pronta que ele comprou e apenas colocou seu nome. Pois não tem identificação nenhuma nem com ele nem com o partido. Agora, Alckmin contratou novos marqueteiros que, logo de cara começaram a pegar mais pesado, colocando as cenas de Kassab gritando "vagabundo" para um cidadão no posto de saúde e Marta dizendo "relaxa e goza". Parece campanha de partido nanico.

Golpe baixo é coisa que no Brasil não está dando tão certo. O público acaba preferindo apoiar o lado dos atingidos, meio que se solidarizando, enquanto quem ataca fica com fama de "apelão". A inspiração é sempre a democracia americana, na qual os candidatos a presidente sempre se esfalfam invocando a masculinidade do adversário: quem não foi ao Vietnã não é homem para ser presidente da "América"...

Os marqueteiros são capazes de mudar uma campanha. Eles têm um grande poder de mover a opinião pública.

Veja agora o que preparamos de especial para encerrar este post.

Nossa mascote posa simulando uma campanha típica do PSDB para prefeito de São Paulo.

Agora, nossa mascote reproduz a campanha do Democratas à prefeitura de São Paulo.


E, por fim, nossa mascote imita a descaracterizada campanha do PSDB à prefeitura


Imagem é tudo, é ou não é verdade?

domingo, 14 de setembro de 2008

Aconteceu de novo

Passou a Semana da Pátria, o vexame da Seleção Brasileira empatando com a Bolívia e continuamos tendo mostras de desrespeito ao Hino Nacional.

Foi agora, agorinha mesmo, no mesmo Estádio do Morumbi, antes do início de São Paulo F.C. e C.R. do Flamengo. Dessa vez, foi o Flamengo quem entrou atrasado, e foi vaiado durante a execução do Hino.

Se você não entendeu lhufas do que estou falando, leia nosso texto Patriotários e entenderá.

domingo, 31 de agosto de 2008

Postura e jogos olímpicos

Não falamos quase nada de olimpíada por aqui e nem queremos. Não vamos falar mal de atleta, nem desdenhar dos resultados, nessa síndrome de vira-latas que assola o país em época de jogos olímpicos. Isso é desrespeito, não é engraçado nem acrescenta absolutamente nada.

Já demos um cutucão nos patriotas de plantão, no post anterior, e é mais que o suficiente. Haja carapuça!

Vamos falar de olimpíadas e televisão. Retomando um assunto que já tratamos aqui.

É o seguinte: a TV Record passou a perna em todas as concorrentes e adquiriu os direitos do Pan de 2011, da olimpíada de inverno de 2010 e da olimpíada de 2012. E fez o maior escarcéu. Isso todo mundo já sabe.

Todo mundo já ouviu também que a Globo e a Bandeirantes (não gosto do apelido "Band") vão ficar de fora, pois não há interesse da nova emissora oficial em dividir o bolo com ninguém, principalmente com quem tem know how e tradição nesse tipo de transmissão. Possuir os direitos de transmissão e dividir com eles é tiro no pé.

Basta lembrar a Copa de 1998. Globo, Record, Bandeirantes, SBT e Manchete transmitiram jogos. Globo e Bandeirantes lideraram; SBT fez seu papel, assim como a Manchete (que não teve o retorno em audiência e faturamento esperado para o investimento, o que só agravou a crise que fechou a emissora em 1999) e a Record (que precisou subir em telhados e narrar jogos de varandas, pois não tinham autorização para entrar nos estádios).

Que a Record compre o que quiser. É o livre mercado, oras.

Só que quando a Globo possuía os direitos, a Record dizia que era monopólio. Agora, quando ela é quem possui, chama de exclusividade...

Vejo aí um problema de postura.

Curioso, em se tratando de uma empresa controlada por religiosos de doutrina cristã.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Patriotários

O Daniel já falou disso aqui antes, em A Civilidade e o Futebol, mas ontem a situação foi muito mais grave.

Jogaram São Paulo e Atlético Paranaense em mais uma rodada mata-mata da Copa Sul-Americana. Noite fria, Morumbi vazio. Como exigência de uma tal lei estadual, é executado o Hino Nacional pelo sistema de som do estádio. Perfilado apenas o trio de arbitragem. E os jogadores? Os do Atlético, batem bola no campo, num breve aquecimento para a partida. Os do São Paulo nem tinham entrado em campo. Muito constrangimento no ar, nas arquibancadas e pela televisão. No público, havia quem acompanhasse de pé, cantando, e os que permaneciam sentados, conversando.

Terminada a vergonhosa execução do Hino, o São Paulo entra em campo. Na Globo, Cléber Machado lamenta o acontecido e diz que a questão do Hino antes das partidas "tem de ser repensada". Mudo para a Bandeirantes. Lá, Neto e Oscar Roberto Godói indignados, apesar de não terem diploma, como quer o colega Luciano do Valle, opinam de forma contundente. Dizem que foi um desrespeito à Nação, à torcida e ao pessoal da imprensa, que não pôde tirar fotos ou fazer filmagens como normalmente faz, aproveitando os jogadores enfileirados.

Um péssimo exemplo para um País que quer sediar uma olimpíada e vai sediar uma Copa do Mundo. Nada pior do que patriotas de ocasião, que nada fazem, nem se prontificam a ficar de pé para ouvir o Hino, e depois vêm cobrar resultados do esforço individual dos atletas brasileiros. Nada pior do que essa "formação de civilidade" dos jogadores, em campo. Se tratam as coisas pátrias assim, isso pode ajudar a entender porque vão tão mal quando jogam na Seleção, com aquela cara de "tô nem aí".

Vergonha não é ir à Pequim e voltar com algumas medalhas, frustrando os ufanistas. Vergonha é isso que passou na televisão ontem.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ruminante, rumo certo

Mais um motivo para dizer que o homem não é a coisa mais perfeita da face da Terra, o magnânime, o mais-mais. Os animais são capazes de coisas que nós nem sonhamos. Veja só a notícia de capa do UOL e da Folha On Line de hoje: Vaca se orienta pelo campo magnético da Terra, diz estudo

Não é do meu feitio, mas vou me valer do poder do control-c-control-v e destacar um trechinho da reportagem:

De acordo com os cientistas, que analisaram fotos de satélite de milhares de bovinos ao redor do mundo e também fizeram estudos de campo, parece que o gado sabe como encontrar o norte e o sul.

A maior parte dos animais observados que pastava ou descansava tendia a alinhar os seus corpos em uma direção norte-sul, afirmou o estudo, conduzido por Hynek Burda e Sabine Begall, da Faculdade de Biologia na Universidade de Duisburg-Essen, na Alemanha.





Vaquinhas são animais simpáticos.

Já li certa vez algo a respeito de descobertas científicas malucas, era uma premiação satírica, o Prêmio Ignobel. Esse pode ser um bom candidato, embora, por trás de tanta estranheza deva haver um bom propósito científico, ou de relevância humanitária.

Pelo menos é o que espero.

sábado, 23 de agosto de 2008

Rebelde sem causa

Saiu no Ego, do Globo.com: Fãs do RBD organizam manifestação na Avenida Paulista, contra o fim do grupo. Tem fotos e tudo, aconteceu hoje, deve ter gente por lá ainda.

Sem preconceitos, esse caso do Rebelde / RBD é um fenômeno que precisa ser estudado. É algo mais impressionante que o sucesso do Menudo, nos anos 80, mas que provocou muito mais ojeriza dos não-fãs do que o grupo porto-riquenho que não se reprimia, que veio pela primeira vez ao Brasil para o Viva a Noite do Gugu e fazia shows à tarde em estádios de futebol lotados (nos quais duas pessoas morreram sufocadas, assim como aconteceu num show do RBD no Brasil, em que três fãs morreram pisoteados...). Para que todos entendam, Rebelde é o nome de uma novela mexicana; RBD, da banda formada com os personagens/atores da novela.

Como explicar tanta idolatria? Bem, é coisa normal da juventude, claro. Creio que faltem referências de ídolos e exemplos a serem seguidos. Jogadores de futebol, cantores, artistas, etc... as safras que temos atualmente são muito pobres, não necessariamente em talento, mas em empatia, em identificação com o público, e nem o fortíssimo marketing ajuda. Note bem que estou generalizando, não é bem assim, eu sei, mas para a reflexão que faço é o quanto basta. Pois bem. Além disso, a pulverização de opções, tribos, etc. não permite grandes estouros que se transformem em unanimidades nacionais. Mas acontecem alguns, como o do RBD. Dentro desse quadro, podemos notar a grande força da televisão, bem delineada, pela novela Rebelde, da Televisa, exibida pelo SBT em horários noturnos ingratos, e num período em que a emissora patinava numa crise financeira, de criatividade, de audiência, de credibilidade e de tudo o mais.

Daí, o sucesso não se mediu só nos Ibopes do SBT, que não eram tão altos assim, mas se refletiu nos lugares em que o público se manifestava, livre, na internet, em blogs, comunidades no Orkut e, nas ruas, com uma profusão de pessoas de cabelo, gravata e suspensório vermelho.

Quando a novela acabou e saiu do ar, passaram a entupir os e-mails do SBT pedindo a volta, e até tumultuando no Orkut, incomodando mais do que os fanáticos por Chaves e Chapolin, que souberam se organizar e difundir a cultura chavesmaníaca em festivais, encontros e afins, seguindo o exemplo dos apreciadores de animês, mangás, tokusatsus e cosplayers e toda uma tribo de descendentes de orientais esquisitões e brasileiros "japa wanna-be".

A passeata serve para demonstrar que alguma organização os fãs de RBD conseguiram. Se alguém os ouvirá é outra história.

Só sei que, há uns 15 anos ou mais, pessoas nessa idade estavam empenhadas em outro tipo de protesto, no mesmo local da Avenida Paulista. Também vestiam preto. Só que queriam que o Presidente da República deixasse o poder.

Digo isso sem maldade nenhuma. Se terminasse o texto aqui, poderiam pensar isso.

Talvez também muita gente quisesse se mobilizar naqueles tempos difíceis de Collor contra o fim do New Kids on The Block ou do Polegar, sei lá... ou contra o fim do Xou da Xuxa... mas naquele tempo nada disso era possível. Hoje, sem preocupações extras como lutar pelo fim da ditadura, pelas eleições diretas, pela deposição de um presidente etc., e com o poder instantâneo da internet, as coisas ficaram facilitadas.

Além disso, cada geração tem as preocupações que lhes cabem. Isso é o que realmente importa.

Se estamos melhor ou pior hoje, você é quem sabe.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Ibope dos Transcendentes II

Levantamento de dados entre o início do blog até 20 de agosto de 2008, pelo Google Analytics:

BLOG TRANSCENDENTES
4.319 visitas, 6.376 page views

Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1. Adeus, Flecha: a morte do rei da estrada 1.165
2. Desaparecido: Milkybar 987
3. Nestlé confirma: Milkybar acabou! 431
4. Mais uma que vai: Scalla FM 175
5. Celebridades instantâneas 132

As 5 Palavras-Chave mais utilizadas em mecanismos de busca:
1. scalla fm 79
2. assim caminha a humanidade 33
3. transcendentes calypso 25
4. o que é ser brega 11
5. milkybar 9

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1. Blog do Flávio Gomes 811
2. Ueba 571
3. Orkut 365
4. Blog O Baú do Silvio 79
5. Músicas Infantis anos 80 61

Os 5 países que mais visitaram o Transcendentes:
1. Brasil 4.084
2. EUA 55
3. Portugal 41
4. Japão 35
5. Argentina 16

As 5 Cidades que mais visitaram o Transcendentes:
1. São Paulo 1.444
2. Rio de Janeiro 310
3. Belo Horizonte 246
4. Curitiba 84
5. São Caetano Do Sul 80

Comparando este levantamento com o último, datado de dois meses atrás, vemos um enorme crescimento na "popularidade" dos três blogs. A citação a um texto nosso, falando dos ônibus da Viação Cometa, pelo jornalista Flávio Gomes, em seu blog sobre automóveis e automobilismo gerou uma quantidade de visitas bastante expressiva ao Transcendentes, além de republicação do nosso texto no site Maxicar. O mesmo texto recebeu 16 comentários, número recorde em nosso humilde blog, que bombou, por vários dias. Pena que o assunto tratado nesse texto era tão triste...
Pessoas de 31 países diferentes visitaram os Transcendentes. Dentre eles, Grécia, Tanzânia, Timor Leste, Polônia e Finlândia!

----------


BLOG BAÚ DO SILVIO
9.042 visitas, 18.694 page views


Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1. Trilhas sonoras de programas do SBT 1.256
2. Da TV para sua casa 1.250
3. O Microfone do Silvio Santos - parte 1 883
4. As Vinhetas do SBT 501
5. O Microfone do Silvio Santos - parte 2 429

As 5 Palavras-Chave mais utilizadas em mecanismos de busca:
1. obaudosilvio 118
2. bau do silvio 40
3. o bau do silvio 40
4. md 405s 35
5. microfone do silvio santos 32

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1. Ueba 1.261
2. Orkut 467
3. Google Imagens 257
4. Blog MofoTV 207
5. Blog Transcendentes 173

Os 5 países que mais visitaram o Baú do Silvio:
1. Brasil 8.667
2. Portugal 92
3. Japão 81
4. EUA 79
5. Reino Unido 18

As 5 Cidades que mais visitaram o Baú do Silvio:
1. São Paulo 1.979
2. Rio de Janeiro 860
3. Belo Horizonte 464
4. Porto Alegre 231
5. Curitiba 212

O site Ueba publicou por algumas vezes links nossos, gerando boa visitação ao Baú do Silvio, que, na medição do HiStats já atingiu a marca de 10.000 visitas e 20.000 page views, sendo nosso blog mais conhecido na web. E pensar que, dois meses atrás, eram 11.000 page views...
Além disso, desde julho, o conteúdo do Baú do Silvio também é publicado domingo sim, domingo não, no site TeleHistória, um dos melhores sites sobre televisão que há.
O Baú do Silvio foi visitado por internautas de 38 países, dentre eles Guiana Francesa, Turquia, Angola, Eslováquia, Liechtenstein, Honduras, Moçambique, Coréia do Sul, Nova Zelândia e Hong Kong! E, do Brasil, 247 cidades clicaram por lá!

----------



BLOG LETRAS DO TREM
2.489 visitas, 5.988 page views

Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1. 1984 - Patrícia & Luciano: Clube da Criança 302
2. 1985 - Trem da Alegria 289
3. UNI DUNI TÊ 279
4. 1986 - Trem da Alegria 254
5. É DE CHOCOLATE 204

As 5 Palavras-Chave mais utilizadas em mecanismos de busca:
1. discografia trem da alegria 53
2. trem da alegria discografia 53
3. "músicas do trem da alegria" 14
5. discografia do trem da alegria 11
6. trem da alegria 11

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1. Orkut 355
2. Músicas Infantis anos 80 145
3. Blog Baú do Silvio 101
4. Blog Transcendentes 76
5. Google imagens 54
8. Blogger Xuper 24

Os 5 países que mais visitaram Letras do Trem:

1. Brasil 2.387
2. Portugal 26
3. EUA 22
4. Japão 18
5. Argentina 9

As 5 cidades que mais visitaram Letras do Trem:
1. Sao Paulo 584
2. Rio de Janeiro 301
3. Belo Horizonte 133
4. Fortaleza 69
5. Brasilia 62

Mais uma vez percebe-se que o blog Letras do Trem tem um público um tanto diferente, pois boa parte de seus visitantes é do Nordeste do País, distante do Centro-Sul verificado nos nossos outros blogs. E gente de Filipinas, Suíça, Rússia e Holanda também visitou o blog!

----------

No mais, a parceria com outros blogs e sites também se mostra bastante frutífera, com grande quantidade de visitantes vindos do site Música Infantil anos 80 (de Vinícius "Jamie Lawson"), do Blog MofoTV (de José Marques Neto) e do Blogger Xuper (de Renan Bressan). Também verificamos que a divulgação dos nossos blogs, uns pelos outros, está satisfatória.

Obrigado pela sua visita! Vamos levar nossos blogs em frente!

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Não Sei!

Já estamos chegando ao meio do mês de agosto e o blog ainda estava passando em branco neste mês. Eu e o Daniel, meu sócio, estamos enrolados com a tese de láurea (nome garboso dado ao trabalho de conclusão de curso - TCC pela Faculdade de Direito), além de outras coisas que a vida do mundo real e não a da virtualidade internética nos traz para resolver.

Eu confesso que tenho vários assuntos para tratar. Quero falar sobre o homem vestido de galinha, tenho várias fotos desse traje bizarro que achei na internet, quero escrever mais sobre música, televisão, ônibus, coisas esdrúxulas, brega, kitsch... também falar das amizades virtuais que fiz ao longo desses ainda poucos meses de blogagem e do contentamento de ver amigos novos e velhos também postando suas picuinhas e vicissitudes, derramando talento literário na internet.

Isso sem falar na medição de audiência do blog, que explodiu com o post sobre o fim do ônibus Flecha Azul da Viação Cometa S.A., fato noticiado na comunidade da empresa no Orkut e que divulguei em primeira mão para todo o público internético. O Transcendentes repercutiu e muito nesse último mês, aparecemos no blog do Flávio Gomes e no site Maxicar.

Também consegui entrar em contato com Jefferson Pinas, músico de Maringá, atualmente com 38 anos, que, 25 anos atrás, venceu o 1º Festival Internacional da Criança, organizado pelo SBT! Pretendo entrevistá-lo para este blog, para os saudosistas de plantão.

Já nosso outro blog, o Letras do Trem, recebeu a visita do ex-integrante do Trem da Alegria, Luciano Nassyn, que deixou um simpático comentário agradecendo o resgate histórico do maior grupo infantil pop-rock da história da música brasileira.

E por que eu não posto logo de uma vez sobre qualquer um desses assuntos? Não sei! Não falta entusiasmo, não falta vontade. Mas sairá alguma coisa em breve, em breve mesmo! Podem esperar.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Cara-de-pau

Cena comum em nossas cidades grandes é entrar no ônibus, metrô ou trem um sujeito vendendo guloseimas ou outras quinquilharias. Havia também muitos pedintes, mas eles praticamente desapareceram de dentro dos coletivos. Quem dominou o espaço são os vendedores ambulantes. Chegam e explicam que a situação econômica está difícil, que não conseguem trabalho, que precisam criar os filhos e que tem um produto em promoção, que na mão deles é muito mais em conta. Tudo num texto decorado, recitado, praticamente um texto-padrão. Alguns são mais criativos, fazem piadinhas, divertem-se e divertem os passageiros; outros são agressivos e até reclamam de quem não lhes dá bola.

Dia desses entrou um sujeito na lotação. Fez o discurso em prol do Maxi Chococo, da Bauducco, dizendo que um custava R$ 0,50 e dois apenas R$ 1,00. Reparei que ele estava vestindo camiseta da Puma, agasalho novo do Santos F.C., da Umbro, e corrente de ouro grossa, um figurino que devia valer uns R$ 400,00, sem contar os tênis, que não vi quais eram...

Então, a surpresa maior: ele falou que era muito importante que todos pudessem comprar o produto, e gostaria que todos colaborassem, afinal estava cursando uma faculdade, e precisava vender nas férias para custear a mensalidade! Queria muito ser um bom profissional e, para isso, precisava terminar os estudos, no que contava com a colaboração de todos...




Logo pensei: que cara-de-pau! Ele quer demonstrar sua sinceridade, sua dedicação, sua humildade em querer estudar e conseguir uma boa colocação. Sim, tudo isso é louvável. Mas não condiz em nada com os trajes que estava usando. Ah, quer dizer que pra vender mercadoria como ambulante tem que ser maltrapilho, é? Não, não é isso. Mas eu perguntaria a ele, se pudesse, porque gasta tanto com o vestuário, se poderia estar salvando dinheiro para pagar a faculdade, os livros, algum curso profissionalizante... se é isso que ele diz querer...

Depois de apresentar o produto e efetuar umas duas vendas, ele se sentou numa das poltronas e permaneceu a viagem toda falando ao celular com alguém, parecia que estava tratando de alguma festa ou que iam juntar uma turma...

Além do mais, na certa a mercancia de guloseimas em pequena escala não é nenhum negócio da China, que permita adquirir caras vestimentas esportivas e correntes de ouro, quiçá custear uma faculdade!

Sabemos que nos Estados Unidos os estudantes custeiam parte dos estudos vendendo limonadas, cortando grama, entregando pizza. Pelo menos é o que a gente, daqui, ouve falar. Vemos, até sem nenhum escândalo público, garotas de programa desempenharem essa atividade com as mesmas intenções.

Então, você me perguntará: que mal há em vender traquitanas dentro de ônibus para custear os estudos? Eu respondo que não sei se há. Mas que as coisas não se encaixam, ah, não se encaixam mesmo!...

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Vai você!

Depois de tantos posts tristes, pausa para uma piadinha...



Deu no Yahoo! Notícias hoje, e achei engraçado. Diz a manchete: "Lula diz que Protógenes 'tem que ficar' na Satiagraha". Espero que a intenção do redator tenha sido, realmente, a de fazer rir... se não, a gente ajuda.

Ameaça de Presidente é coisa séria, hein:
- Olha, fica na tua que eu te coloco na Satiagraha, hein...
- Não, tudo menos a Satiagraha!!

Mas também parece que o Lula está falando alguma coisa científica, usando uns termos técnicos complicados:
- Doutor, o que o senhor acha?
- Os protógenes tem que ficar na satiagraha, caso contrário as chances de recuperação após a cirurgia serão mínimas.
- Está certo. A satiagraha ficou bastante comprometida, perdeu muito sangue.

Talvez um animalzinho de estimação:
- Joãozinho! Que bichos são esses na sua mão?!
- São protógenes, pai. Peguei lá na Satiagraha com o vovô...
- Joga isso fora, moleque!
- Paiê!! O Joãozinho pegou os protógenes e tá jogando em mim!!

Ou então, que tal esta:
- Sr. Presidente, entregue isto à Dona Marisa. Trouxa da minha viagem à Satiagraha, são protógenes. Faz o maior bem pra pele!
- Desculpa, mas não aceito. A extração de protógenes causa um baita impacto ambiental. Além disso, o dermatologista falou pra não usar essas soluções caseiras, sem registro no Ministério da Saúde.
- Puxa, desculpe... fiz na melhor das intenções... todo mundo lá usa e diz que é bom...
- Eu sei, isso é mundialmente famoso. Uma empresa japonesa até patenteou... mas é melhor que esses protógenes fiquem lá em Satiagraha, mesmo.

Aí meu amigo José Neto me deu mais algumas idéias:
- Sr. Presidente, os protógenes deixaram Satiagraha e estão marchando rumo à fronteira!
- Maldição! Eu bem disse que esse acordo de paz não podia falhar!

- O Protógenes saiu da Satiagraha, você viu?
- Também, os jogadores deles bateram muito mal os pênaltis. Agora o jeito é ir bem no campeonato pra ver se eles se classificam pra Satiagraha do ano que vem.
- Sei não... pra mim, o Protógenes é um time regional, não vai ganhar a Satiagraha nunca.

- E essa crise no Oriente Médio, hein?
- Essa guerra não vai acabar nunca. Isso é assim desde a diáspora, quando Protógenes deixou a Satiagraha, se exilando no deserto.

Quero agradecer imensamente à grande quantidade de visitas e comentários que vimos recebendo sobre o fim dos ônibus Flecha Azul da Viação Cometa S.A. Muito emocionante ver a participação de gente que não é entusiasta por ônibus, mas que sentiu também um aperto no coração por uma coisa boa da vida estar indo embora.

Certamente essa visitação-monstro não teria sido possível sem a presteza e a ajuda do moderador da comunidade da Viação Cometa no Orkut, Wilson Míccoli, e do jornalista Flavio Gomes, que divulgou em seu excelente blog de automobilismo e afins a triste nota que fizemos. Quem gosta de ônibus e da Cometa deve ler os comentários que o pessoal deixou por lá (e aqui, também).

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Também vão pegar você...

Saiu o filme Tropa de Elite (2007, dir. José Padilha), meu pai não quis ver: "é filme brasileiro, filho, não presta". Insisti, pois sabia que ele, assíduo telespectador do Brasil Urgente, haveria de se interessar pelo tema. Aluguei o DVD e ele gostou, aliás, ficou incrédulo pelo fato de tantas denúncias e revelações serem escancaradas sobre o modus operandi da polícia. "Por que nenhuma autoridade não se pronunciou sobre o filme?", perguntou meu pai, que ainda quis saber se tentaram proibir a exibição do filme. Respondi que não me lembrava de ter visto ninguém falar nada...

Nos extras do filme, o diretor e o elenco dizem esperar que o filme cause repercussão, pois - não escondem de ninguém - é polêmico. Esperavam colocar o filme em debate para que fossem feitas "mudanças" na Polícia Militar. Assim, José Padilha seguia a mesma linha e temática de seu filme anterior, o Ônibus 174.

Porém, entendo que o filme nunca deu o resultado esperado. O "grande debate da opinião pública" guinou para a questão da pirataria no mercado de DVDs e CDs, com discursos sobre a crise da indústria do entretenimento. Chegou-se a dizer que o filme fora propositadamente lançado em barraquinhas de camelô antes de chegar aos cinemas, como jogada de marketing. Totalmente sem lógica...

Parece que ninguém levou a sério o filme. Quem mais assistiu e gostou foram os jovens, acostumados a diversões modernas como Counter Strike e outros jogos de tiro em primeira pessoa. Tropa de Elite nada mais era que uma versão filmada de um jogo de computador. E a corrupção da polícia? Somente uma historinha para deixá-lo mais divertido... corresponde àquilo que todo mundo sabe, mas que ninguém fala. E que, como faz parte do "sistema", também não tem como ser mudado; é assim e pronto.

A repercussão mais grotesca, abominável, vergonhosa e desprezível da obra cinematográfica aqui tratada foi feita pelo Sr. Antônio José Cavalcante, vulgo Tom Cavalcante. No Show do Tom, programa humorístico da TV Record, no qual o mau gosto predomina, criou o tal Bofe de Elite. Aproveitou-se para fazer graça das frases e bordões espirituosos e dos modos agressivos do personagem Capitão Nascimento, contextualizando-as para um bando de soldados efeminados, extravagantes e de coturno cor-de-rosa. Contudo, virou sucesso e foi uma das fantasias mais vendidas para o Carnaval de 2008.

Falou-se, depois, numa disputa entre as três maiores redes de televisão do Brasil para a transmissão do filme na TV aberta, e também para a produção de um seriado baseado nos personagens. A idéia, obviamente, era repetir o sucesso das transliterações de Carandiru e Cidade de Deus. Esquece-se os "objetivos maiores", moralistas e socialmente engajados, para deitar olhos no marketing e no faturamento: a tragédia social vira lucrativa franquia, e nada mais.

Mas, quanto à discussão dos métodos, dos problemas, das questões administrativas da Polícia Militar, nada...

O filme foi distribuído no exterior, ganhou prêmios, mas foi criticado pela violência excessiva... no estrangeiro sempre é noticiado que a polícia brasileira mata muita gente, e que há um clima de guerra civil nas grandes cidades e nas favelas.

Agora, surge o caso dramático da morte de um garotinho, cujo carro onde estava com a mãe e o irmão bebê foi metralhado por policiais militares. E o pai dele, compreensivelmente revoltado, não pede apenas Justiça, pede "mudança na polícia". Algo está errado. Será que vai ser necessário outro filme para tentar denunciar os problemas? Por que fugiu-se do assunto principal de Tropa de Elite, até agora?

O fato é que, quem mais ganha com isso é a imprensa, que faz sensacionalismo sem muito esforço. Jornais e revistas escancaram manchetes, as televisões exploram o caso até o último fio de cabelo... e essa história se repete a cada tragédia - em tempos de queda de audiência, há que buscá-la a qualquer custo. Bem vindo ao mundo-cão do século XXI.

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Adeus, Flecha: a morte do rei da estrada

No dia de hoje, uma notícia que já era esperada se confirmou. A Viação Cometa comunicou que deixará de operar com seu tradicional ônibus Flecha Azul, em razão destes terem ultrapassado a idade limite de 10 anos de uso, conforme exigência da ARTESP, agência reguladora de transportes no Estado de São Paulo. A Cometa colocou à venda os últimos Flechas, e os que restam em circulação são os modelos reformados, que também estão com os dias contados, ao lado dos encarroçados pela Marcopolo. A notícia causou comoção e revolta entre os busólogos, entusiastas por ônibus e transporte rodoviário.



Dez entre dez busólogos - inclusive eu - são fervorosos admiradores da Viação Cometa. A empresa surgiu pelas mãos do aviador italiano Comendador Tito Mascioli. Ele, que chegou ao Brasil em 1931 numa esquadrilha, havia sido sócio da maior empresa de ônibus da cidade de São Paulo, encampada pela estatal CMTC. E, em 1947, adquiriu a Auto Viação São Paulo - Santos, cujos ônibus traziam nas laterais o desenho de um cometa estilizado. Em 1948, a razão da empresa foi alterada para Viação Cometa S. A.

A Cometa tornou-se um ícone das estradas brasileiras, tendo sua linha mais famosa a Rio - São Paulo, pela Via Dutra. A pontualidade, a rapidez (e a forma como ultrapassava a todos na estrada) e a manutenção impecável de seus carros eram os chamarizes para os passageiros. Além disso, a Cometa se destacava pelo pioneirismo, estreando o rádio-transmissor a bordo, o ar condicionado e as carrocerias em alumínio, importadas dos Estados Unidos. Os modelos americanos e a inspiração na gigante viação americana Greyhound levaram a Cometa a desenvolver suas próprias carrocerias de ônibus, fabricadas primeiro pela Ciferal e, depois, pela CMA, a Companhia Manufatureira Auxiliar, subsidiária da empresa.

O duralumínio, imune à corrosão e à ferrugem, apesar da manutenção e custo maiores, proporcionam inúmeras vantagens: mais leve, o ônibus desgastava menos o motor e demais componentes. Os primeiros modelos eram os Dinossauros, no final da década de 70. Depois, vieram as linhagens de Flecha Azul, a partir de 1983, até 1999, do I ao VIII. O motor, sempre Scania, o mais potente de todos, que, aos ouvidos dos busólogos, soa como música.

Além da carroceria prateada e do motor Scania, os Flechas Azuis carregavam outras particularidades que os diferenciavam dos demais modelos. Os assentos revestidos em couro, nunca ficavam atrás de colunas das janelas, proporcionando boa visão externa para todos os passageiros. Na traseira, um acrílico com o desenho dum cometa, era iluminado pelos carros que vinham de trás. A pintura, em bege e azul, obedecia a um desejo do fundador Tito Mascioli: eram as cores do jogo de porcelana no qual ele e a esposa tomavam chá na Itália. Todas as inscrições na carroceria, tais como "Viação Cometa S.A.", "Suspensão a Ar" e o prefixo do carro, sempre foram feitas à mão por um letrista. O cheiro de tutti-frutti. As rodas raiadas... os rebites na lataria... o motorista de quepe e gravata, com jeito de piloto de avião, o inspetor checando os bilhetes de passagem escritos à mão...

Além disso, eram características a rapidez dos Flechas, que faziam muitas ultrapassagens, deixando os ônibus das outras empresas e o tráfego para trás. Na estrada, quando se cruzavam se cumprimentavam fazendo piscar freneticamente as setas, num código conhecido apenas por motoristas da empresa e outros aficcionados, acendendo e apagando todas as luzes do veículo. Procure por "show de setas" no YouTube e verá!








Esses ônibus têm uma vida útil bastante longa, porém, em razão do preciosismo da Cometa, não duravam mais que cinco anos na frota. Logo eram substituídos por novos carros, idênticos aos antigos. Em razão disso, os mal informados achavam que a empresa possuía veículos velhos e ultrapassados, o que não era verdade. Na verdade, o grande diferencial e orgulho para a empresa era ter seus ônibus exclusivos, sempre de aparência impecável e equipados com motores poderosos.

Em 1999, os Flechas começaram a ser substituídos por um novo modelo da CMA de aparência mais moderna, chamado simplesmente de Cometa, mas que, por causa de sua pintura, passou a ser conhecido como Estrelão. Dois anos depois, o grupo JCA, controlador de diversas empresas de transporte, assumiu o controle da Viação Cometa, realizando mudanças visíveis na companhia, sobretudo na parte visual, com nova pintura. Isso descaracterizou a tradicional Cometa, mas o pior golpe foi a aquisição de carrocerias Marcopolo em chassis Mercedes-Benz e Volvo para renovar a frota.

Apesar de dar valor ao passado da empresa, o que se demonstra do site da Viação Cometa, a modernidade não deu espaço para o levíssimo duralumínio e os turbinados Scania. Para muitos, a nova Cometa não dá valor ao que foi conquistado pela antiga, razão pela qual aparenta querer, sempre, desligar-se do passado e formar uma nova identidade. Essa é a grande polêmica, pois um dos valores mais fortes da empresa era, até então, sua tradição.

Para os fãs da antiga empresa, a Viação Cometa vai morrendo aos poucos. Sem a renovação da frota por novos veículos CMA, era certo que um dia o reinado dos ônibus mais rápidos do Brasil iria acabar. E o dia chegou, como a morte de um parente querido. Não dá para culpar apenas a ARTESP, pois, realmente, dez anos de uso é um bom parâmetro para atestar o estado dos ônibus - e a Cometa era um exemplo de manutenção e zêlo por seus carros, uma exceção, talvez... dificilmente se ouvia falar, na antiga Gestão, de acidentes ou ônibus quebrados. A atual Gestão, pelo visto, não quer mais saber de Flechas na frota.

Os Flechas Azuis estão à venda e, provavelmente, vão ter como destino empresas de turismo e fretamento. Muitos vão terminar mal seus dias, pois, em razão de sua velocidade, são bastante empregados por sacoleiros e contrabandistas para rotas clandestinas rumo ao Paraguai... não se pode dizer, contudo, que o Flecha não é aventureiro...


Esta é a minha homenagem pessoal ao CMA-Scania Flecha Azul, da Viação Cometa S.A.

Muito mais informações da Cometa na Wikipedia.


ATUALIZAÇÃO
Desde setembro de 2012 todos os CMA Flecha Azul que ainda restavam na empresa foram retirados das linhas regulares. A Viação Cometa manterá apenas um carro para exposição, o número 7455, que está caracterizado com o padrão atual e vem passando por uma restauração para retornar ao padrão clássico da companhia. A restauração se iniciou em 2010 e ainda não foi concluída.

YOUTUBE BONUS

Propaganda da Viação Cometa
Veículo Flecha Azul Automático - 1985

terça-feira, 1 de julho de 2008

Até tu, Estadão?

Boatos correm soltos na internet e repercutem em diversos sites (ex: Meio e Mensagem, Arena Pública, Portal Imprensa, Yahoo! Notícias, Direito à Comunicação) dizendo que as Organizações Globo estavam prestes a comprar ou compraram a S.A. O Estado de S. Paulo, que publica os jornais O Estado de S. Paulo e Jornal da Tarde, controla a OESP Mídia, a Rádio Eldorado AM e FM, a Agência Estado e os portais de internet Estadao.com e Limao.com. A Globo todo mundo sabe dona do que ela é... juntas, as duas empresas lançaram o site de classificados Zap.

Será mesmo verdade que o Estadão está mudando de mãos? O jornal de maior circulação na Grande São Paulo e a maior agência de notícias do país certamente interessariam a qualquer grupo de comunicações. Há quem já diga que a família Mesquita, proprietária do Grupo Estado, já tenha recebido tantos e tantos milhões... é bom lembrar que, antes de tudo, é uma Sociedade Anônima, e há que se lembrar dos acionistas com poder de controle.

Mas, sendo verdadeiro o que corre à boca pequena, será um triste fim de linha (editorial) de um jornal que já teve entre seus redatores Rangel Pestana, Monteiro Lobato, Euclides da Cunha Plínio Barreto e tantos outros que hoje dão nome a praças e avenidas da cidade, e que, neste ano, relembra os 30 anos da ditadura, período em que, censurado, publicava como forma de protesto, versos de Os Lusíadas e receitas de bolo nos espaços de reportagem deixados vazios.

Em que "ão" estão pensando os diretores do Estadão?

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Que falta faz o Flávio Cavalcanti...

Há uns 15 anos, jovens e adolescentes ouviam músicas compostas e executadas por pessoas que usavam drogas, e eram criticadas por isso. Hoje, jovens e adolescentes ouvem músicas que são umas drogas e ninguém diz nada.

Essa é uma frase que eu criei na noite de sábado, voltando para casa de ônibus, enquanto vários garotos e garotas conversavam animadamente e cantavam com um celular tocando músicas "da moda", digamos assim, bem alto... aliás, tem uma velha lei municipal em vigor que proíbe o uso de aparelhos sonoros nos coletivos. Mas é norma sem sanção...

As pessoas mais velhas, como o meu pai, quando ouvem essas canções atuais, sempre citam o Flávio Cavalcanti. Famoso apresentador dos anos 70 e 80, tecia duras críticas musicais e quebrava discos de que não gostava, sem pestanejar. Brega, mau gosto e imoralidades não tinham vez com ele. Em seus programas, promovia concursos de compositores, que tinham de inventar uma letra de samba na hora, que seria submetida a um júri especializado e às palmas da platéia. Hoje em dia, Flávio é pouco lembrado.

As coisas mudam, os gostos e costumes mudam. Mas creio que a frase acima mereça uma reflexão. Interprete-a como quiser. Acho as músicas atuais ruins, mas não vou fazer nenhum outro juízo. O debate está lançado.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Ibope dos Transcendentes I

Dando continuidade à medição dos posts mais acessados e outros números do blog no post Um abraço pra galera de Mountain View, vamos fazer agora mais uma medição de nossa audiência. Agora, envolvendo os três blogs do Grupo Transcendentes!

O levantamento envolveu os dados desde o início dos blogs até o dia 22 de junho de 2008.

BLOG TRANSCENDENTES
2.312 visitas, 3.477 page views

Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1 - Desaparecido: Milkybar 916
2 - Nestlé confirma: Milkybar acabou 364
3 - Celebridades instantâneas 94
4 - Editora Globo cancela sua linha de quadrinhos 78
5 - Sementes de Cultura 1: As sete maravilhas do Mundo Antigo 78

As 5 Palavras-Chave mais utilizadas em mecanismos de busca:
1 - "transcendentes calypso" 25
2 - "scalla fm" 18
3 - "assim caminha a humanidade" 13
4 - "maniqueísmo" 6
5 - "o que é ser brega" 6

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1 - Ueba 565
2 - Orkut 186
3 - O Baú do Silvio 37
4 - A Pantomima Visceral 34
5 - Minhas Camisas 25

Os 5 países que mais visitaram o Transcendentes:
1 - Brasil 2.224
2 - Japão 26
3 - Portugal 24
4 - Estados Unidos 14
5 - Argentina 12

As 5 Cidades que mais visitaram o Transcendentes:
1 - São Paulo 747
2 - Rio de Janeiro 168
3 - Belo Horizonte 118
4 - Campinas 73
5 - Curitiba 72


----------

BLOG BAÚ DO SILVIO
5.465 visitas, 11.178 page views

Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1 - Da TV para sua casa 890
2 - O microfone do Silvio Santos parte 1 681
3 - As Vinhetas do SBT 315
4 - O microfone do Silvio Santos parte 2 286
5 - Trilhas sonoras de programas do SBT 234

As 5 Palavras-Chave mais utilizadas em mecanismos de busca:
1 - "obaudosilvio" 71
2 - "md 405s" 35
3 - "o bau do silvio" 21
4 - "bau do silvio" 20
5 - "vinhetas" 18

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1 - Ueba 875
2 - Orkut 455
3 - Central de Notícias 155
4 - Google Imagens 105
5 - SodTV! 61

Os 5 países que mais visitaram o Baú do Silvio:
1 - Brasil 5.209
2 - Portugal 69
3 - Estados Unidos 57
4 - Japão 44
5 - Argentina 17

As 5 Cidades que mais visitaram o Baú do Silvio:
1 - São Paulo 1.148
2 - Rio de Janeiro 534
3 - Belo Horizonte 261
4 - Porto Alegre 195
5 - Curitiba 194


----------

BLOG LETRAS DO TREM
703 visitas, 1.626 page views

Os 5 Posts mais acessados (em número de page views):
1 - LP 1984 - Patrícia & Luciano: Clube da Criança 99
2 - É de Chocolate 79
3 - LP 1985 - Trem da Alegria 75
4 - Uni Duni Tê 62
5 - Carrossel de Esperança 56

As 5 Palavras-Chave mais utilizadas em mecanismos de busca:
1 - "discografia trem da alegria" 15
2 - "músicas do trem da alegria 13
3 - "trem da alegria discografia" 13
4 - "discografia do trem da alegria" 7
5 - "blogspot discografia do trem da alegria" 4

Os 5 principais sites de referência (em número de visitantes):
1 - Orkut 65
2 - Músicas Infantis 80 39
3 - O Baú do Silvio 30
4 -Transcendentes 29
5 - Central Blogs 5

Os 5 países que mais visitaram Letras do Trem:
1 - Brasil 660
2 - Estados Unidos 13
3 - Japão 11
4 - Portugal 6
5 - Argentina 3

As 5 cidades que mais visitaram Letras do Trem:
1 - São Paulo 189
2 - Rio de Janeiro 101
3 - Belo Horizonte 31
4 - Vitória 28
5 - Aracaju 21

Eu e o Daniel ficamos bastante contentes com os resultados deste levantamento, feito graças ao Google Analytics, que monitora estes blogs de uma maneira fantástica. Deu um baita trabalho montar as listas, mas o retrato final é bem interessante. Tínhamos anunciado alguns de nossos posts no site Ueba, e o resultado foi impressionante, atingindo picos altíssimos de visitação, sobretudo nos posts sobre o Milkybar, que soterraram Lasier Martins na lista dos mais vistos dos Transcendentes.

Gostei, especialmente, de ver entre os que mais visitam o blog Letras do Trem, internautas do Espírito Santo e de Sergipe, fugindo do eixo Sul-Sudeste; principalmente no blog em questão, que ainda carece de maior divulgação.

Em breve, compartilharemos com vocês novos números de nossa audiência.

domingo, 22 de junho de 2008

Os injustiçados videogames

Novamente sumido, andei decepcionando meu sócio por uns tempos, mas finalmente estou de volta! Gostei bastante do novo visual do blog, principalmente pela exposição maior de nosso mascote. Apesar de o Hamilton gostar de dizer que meus posts são sobre assuntos de relevância cultural, hoje vou fugir dessa linha.

Frases famosas são realmente interessantes. Por ousadia, falta de adequação ao momento, por serem engraçadas, algumas expressões de pensamento simplesmente ficam para a história. Dentre as mais atraentes sem dúvida estão as frases despretensiosas, que sem querer acabam tendo um grande significado. Vejam a seguinte: "Computer games don't affect kids, I mean if Pac Man affected us as kids, we'd all be running around in a darkened room munching pills and listening to repetitive music". Genial ou não? O profeta se chama Kristian Wilson e era o CEO da Nintendo na época, o longínquo ano de 1989. Sem querer (querendo?), o executivo sintetizou em poucas palavras como são as "baladas" dos nossos dias! E aqui chegamos a outro ponto que muito me atrai, os videogames.

A frase foi uma clara defesa aos jogos eletrônicos por um dos homens mais poderosos do ramo à época. O que realmente intriga é o motivo pelo qual criticariam o inocente Pac Man, jogo muito conhecido em que o personagem controlado pelo jogador deve comer todas as pílulas de cada cenário sem ser pego pelos "fantasmas" presentes, algo primitivo se comparado aos sucessos atuais. O vídeo a seguir mostra bem como funciona o jogo:



As críticas aos games, no início da década de 90, estavam apenas surgindo. Com o desenvolvimento da tecnologia, novos gêneros de jogos foram surgindo. Aos poucos, passaram a abranger cenas de violência explícita, motivo pelo qual foram severamente criticados. Não é raro, no entanto, tais críticas não possuírem fundamento algum, afinal o número de pessoas que se divertem com tais jogos é considerável e aumenta a cada ano. Apesar disso, não há como traçar relação clara entre essa modalidade de entretenimento e o cometimento de crimes ou mesmo a criação de comportamentos estranhos nas pessoas.

Um caso concreto que levantou a discussão sobre o assunto foi o do sujeito que entrou em uma sessão de cinema em São Paulo, no ano de 1999. Tratava-se de um estudante de medicina, Mateus da Costa Meira. Sujeito perturbado, não tinha amigos, interrompeu tratamento psiquiátrico e era usuário de cocaína desde 2 meses antes do crime. O ocorrido ocasionou forte comoção social e passou-se a discutir eventuais motivos para sua prática. Os gostos pessoais do assassino foram estudados e discutidos por jornalistas e apresentadores de televisão. Chegou-se a um consenso: Duke Nukem, um dos jogos preferidos de Mateus, por ter cenas em que o personagem distribui tiros dentro de um cinema, teria exercido certa influência para a prática do crime. O jogo chegou a ser proibido no Brasil. Popularmente, uma clara tentativa de se "tapar o sol com a peneira", afinal o histórico do estudante já era sabidamente problemático há tempos. A culpa da segurança do shopping também foi posta em questão, mas o fervor da discussão eram mesmo os jogos de videogame, com os quais a população deveria se preocupar, pois poderiam levar seus filhos a praticarem atos criminosos. Vamos a um vídeo sobre Duke Nukem, jogo de tiro em primeira pessoa com um personagem deveras carismático:

.

Notem que o cenário inclui um cinema, mais ou menos com 3 minutos de vídeo (e na tela uma mulher se exibindo, dançando no poste; tirem as crianças da sala!)...

Defendo a teoria de que um jogo não guarda relação alguma com o cometimento de um ato violento qualquer. Se fosse assim, o que dizer de alguém que acabou de ver "Tropa de Elite", por exemplo? Um homicida em potencial? Isso porque o filme ganhou o Urso de Berlim... Bom, talvez esse fato explique o problema: o cinema é uma forma de arte já reconhecida e idolatrada, enquanto os jogos ainda estão em estágio bem menos avançado nesse sentido. Os filmes preferidos do assassino nem foram levados à discussão, lembro apenas que o filme exibido no momento do crime era "Clube da Luta", o que por si só não poderia influenciar desse modo o comportamento de alguém, ainda que se trate de pessoa que sofre de distúrbios psíquicos.

Fazendo uma comparação direta com os filmes, bastaria uma censura para resolver a questão, mas preferiram tentar proibir a venda do jogo. Se não me engano essa proibição foi temporária, porém esse ano o famosíssimo jogo Counter-Strike foi proibido em todo o país. Tentar justificar alegando que a fiscalização é ineficiente é descabido, afinal não há a menor restrição quando se vendem DVDs, por exemplo.

Aliás, a influência que fatores externos exercem sobre nosso modo de agir é temas clássico de estudos psicológicos, no entanto não consigo vislumbrar claramente a diferença entre as manifestações e a reação que provocam. A mais fácil de se interpretar parece ser a música, mas não vejo como diferenciar um jogo de um filme nesse sentido, ou ainda captar a mudança que artes como pintura e escultura podem proporcionar de modo tão direto na mente humana. Talvez eu seja insensível!

Enfim, só queria trazer à tona uma questão que me fascina, além de falar um pouco sobre jogos, uma de minhas paixões. Conte sobre você agora! Como interpreta o tema? Considera-se mais influenciado por alguma forma de arte ou acontecimento? Quem sabe época do ano, horário do dia... Qualquer experiência tá valendo. Nos vemos no próximo post!

Em tempo, uma curiosidade: um dos últimos grandes lançamentos da indústria de videogames, o jogo "GTA IV", faturou em sua primeira semana de vendas mais que qualquer filme lançado até hoje. Se levassem em conta as características do jogo, que inclui nudismo e violência, provavelmente seria proibido...

Talvez você se interesse por:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...